< Voltar

“Feliz (re)começo!” – a psicóloga Renata Bento fala de nossas mudanças de rumo na vida

"Uma pessoa forte é aquela que conhece suas próprias fraquezas e é a partir desse encontro que surge a força para a mudança", diz.

 

Recomeçar pode ser um aceno da vida, uma chamada para a mudança. Não necessariamente uma transformação externa.. Às vezes isso também ocorre. Mas falamos aqui, mais profundamente, de uma mudança interna. É dentro de cada um de nós que reside a semente da coragem para grandes transformações. Esse grão precisa germinar em solo fértil, mas antes é preciso saber que ele existe, e está lá, sentado num canto de você mesmo como uma criança, esperando ser encontrada e cuidada. Essa terra que pode ser rica: é o nosso mundo interno.

Recomeços podem ser mais interessantes quando contamos com o equilíbrio emocional nascido da familiaridade com as próprias emoções, além de uma boa dose de confiança e uma pitada de alegria que dá aquele brilho no olhar. Quando tudo fica bem por dentro, é possível ter uma disponibilidade para (re)começar e para olhar em torno, com olhos de ver as oportunidades que a vida pode oferecer.

A intimidade com os próprios sentimentos é um convite ao mergulho interior. Conhecer os próprios medos, as inseguranças, as fraquezas, o que nos faz felizes e o que não faz; do que se gosta, ou do que não gosta, as mágoas, o amor, as tristezas, e assim por diante. Uma pessoa forte é aquela que conhece suas próprias fraquezas e é a partir desse encontro que surge a força para uma tão sonhada mudança, para os recomeços que a vida apresenta diariamente.

Para alguns de nós, o ato de recomeçar pode estar vinculado a alguma dificuldade, a uma dor, a uma perda, à angustia que pode estar associada à sensação de estar “perdido”. É um desconforto que ocorre por nos vermos frente às incertezas do desconhecido, daquilo que foge ao controle – eu diria, mesmo, ao próprio mistério da vida. Contudo, se apesar do incômodo e superado o luto, é provável que surjam novos caminhos e novos desfechos – isso, se existe a capacidade para compreender essa transição como uma oportunidade para ressignificar. Assim,  encaramos os recomeços com mais alegria e otimismo que outros.  

Um ano começou e junto com ele reacende a capacidade de sentirmos esperança, essa vontade de acreditar que a vida anda para frente e que algumas coisas podem ser diferentes. É tempo de arrumar os armários, os de dentro e de fora, de renovar crenças, de fazer planos e de se desfazer do que não  cabe mais. O passado serve de lição de vida, mas é o presente que de fato temos hoje, e é nele que devemos estar, viver e aproveitar. Temos notícias do futuro quando atentamente colocamos uma lente de aumento no presente, observando o que fazemos hoje. Viver, começar e recomeçar é sempre seguir a diante e por isso mesmo exige uma coragem danada!  No dicionário, a palavra coragem – a tal semente escondida dentro de cada um – significa bravura e intrepidez. E firmeza de espírito para enfrentar situação emocional ou moralmente difícil.  

A experiência de viver mostra que os recomeços são constantes, sejam eles pequenos ou grandes; e parece  indiscutível que as marcas que os acompanham  têm sabores adocicados e também gostos mais amargos.

 Receber, promover e ressignificar as mudanças é um grande trabalho a ser feito diariamente. E pensando nisso, desejo que você seja bem conhecida (o) de você mesma (o) para que seu ano seja de fato, novo! E então vamos recomeçar?  Feliz (re) começo!

Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail to someone