< Voltar

Cerveja, chique e também feminina… por que não?

Amanda Reitenbach, sommelière de cervejas, doutora em Química, dá curso no Rio sobre a bebida, que ganhou variedade e estilo

Amanda Reitenbach, da organização Science of Beer / Foto: Divulgação

 

Uma bebida com aromas diferentes, corpo, notas de sabor… pensou em vinho? Pois a cerveja também é guarda muitas sutilezas. Associada à vida mais esportiva e informal, a bebida nascida mais de 6 mil anos atrás ganhou nos últimos tempos um status de produto cheio de estilo, com direito a especialista: o sommelier.

Um desses especialistas é a catarinense Amanda Reitenbach. Aos 30 anos, morando na Alemanha, doutora em Engenharia Química, ela é diretora do Science of Beer Institute e criou o primeiro ‘nariz eletrônico’ (dispositivo qu identifica cheios) específico para auxiliar no controle de qualidade da cerveja. No final de setembro, ela promove no Rio de Janeiro um curso sobre estilos e escolas cervejeiras (veja o servi~co no final). Ela conversou com o site.

A cerveja ganhou novo status nos últimos anos – deixou de ser uma bebida “informal”apenas. Como foi esse processo?

Amanda Reitenbach: De uns anos para cá, houve realmente uma redescoberta da cerveja, que deixou de ser conhecida só como a ‘gelada’ de boteco e passou a ser vista como uma bebida rica em sabores, aromas, estilos e histórias. E o público ficou sedento por conhecer tudo isso. As primeiras cervejas importadas começaram a despertar curiosidade e a oferta destes produtos tem crescido. Vemos esse reflexo no mercado, nos restaurantes.

Como é o trabalho de um sommelier de cerveja? 

Amanda Reitenbach: Depende da linha que ele escolhe trabalhar: pode ser em um bar, restaurante ou importadora, selecionando e descrevendo rótulos de cerveja para o consumidor. Ele fala das características de cada rótulo, da escola cervejeira, do sabor, do aroma, indica a harmonização. Pode ainda elaborar um menu harmonizado, orientando os clientes sobre a melhor cerveja para cada prato. Este profissional pode estar também em uma cervejaria ajudando na descrição dos produtos desenvolvidos, guiando harmonizações e a venda para o mercado.

Quais os benefícios da cerveja para a saúde?

Amanda Reitenbach: A cerveja, assim como o vinho, tem propriedades funcionais, mas precisa ser bebida com moderação para responder a esta função. A cerveja tem vitaminas, minerais; as cervejas mais escuras trazem compostos fenólicos . E todos estes componentes, até mesmo o álcool em pequena concentração, têm efeitos benéficos. Mas isso está ligado ao estilo de vida saudável. Não adianta tomar cerveja e comer bacon, gordura pesada. Se a pessoa buscar o equilíbrio, a cerveja pode sim ser consumida com moderação e trazer diversos benefícios a saúde.

Cerveja dá barriga? Essa afirmação procede ou é mito?

Amanda Reitenbach: Voltamos à moderação. A cerveja não é tão calórica se comparadas a outras bebidas. O que conta mais é o volume. Um copo de suco de laranja é mais calórico que um copo de cerveja. Mas não sentamos à mesa e tomamos dez copos de suco de laranja, e com a cerveja isso pode acontecer. No Brasil, a tradição de tomar cerveja nos botecos, acompanhada por frituras e comidas gordurosas, pode provocar, claro, o “efeito estufa”. A palavra que deve ser colocada em destaque é moderação e estilo de vida saudável. Não é a cerveja que dá a barriga e sim todo um conjunto de hábitos.

Por que mulheres não são em geral identificadas com o consumo de cerveja?

Amanda Reitenbach: Por trás disto tem uma questão cultural. A cerveja também é uma forma de entretenimento. Antigamente, quem saia para se distrair eram os homens, a mulher não estava muito ligada à bebida em atividade social. Hoje em dia, as mulheres têm conquistado espaço em todas as esferas e não fica só em casa cuidando dos filhos. É o reflexo da igualdade de gêneros, não só de consumo como de trabalho, representação e direitos. É muito legal que tenhamos conquistado isso e que as mulheres hoje já tenham tranquilidade para pedir uma cerveja. E muitas estão dominando o mercado de trabalho cervejeiro, que antes era bastante masculino.

Quais são as principais dicas para o consumo de cerveja?

Amanda Reitenbach: Moderação em primeiro lugar. Tentar beber observando e apreciando a cerveja. A cerveja artesanal tem muito sabor, muito aroma, muita história e por isto deve ser muito bem apreciada e estudada. Vale a pena prendermos nossa atenção nestas características ao beber. Sobre estilos e rótulos, tudo depende do perfil de quem está consumindo e do gosto, que é muito subjetivo. Não vou deixar rótulos como sugestão, mas pedir que as pessoas abram a mente para degustar novos sabores, novos aromas e novos estilos para poderem experimentar  tudo o que a cerveja artesanal pode proporcionar.

 

Curso Science of Beer Styles  sobre estilos e escolas de cerveja: dias 23 e 24 de setembro, das 9h às 19h, promovido pela escola de educação cervejeira Science of Beer Institute,  abordando as técnicas de processo de fabricação e avaliação sensorial e a degustação de 60 rótulos que caracterizam as principais escolas cervejeiras. Dividido em três módulos, estuda as escolas cervejeiras da Alemanha, Bélgica, Inglaterra e Estados Unidos.  No Il Piccolo Biergarten (Rua dos Inválidos, 135, Lapa – Centro do Rio) e são ministradas por alguns dos maiores especialistas brasileiros na bebida. Inscrições pelo site www.scienceofbeer.com.br

Compartilhe!
Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail to someone